terça-feira, 30 de agosto de 2011

all in your heart

shattered glass in the broken dream
five days I waited for you
come on and pray with me, darling
I don't believe this nightmare is true

you can't be dead, not for me
take my hand and whisper in my ear
please tell me that everything is okay
tell me everything I want to hear

I just want the old times back
I just want you standing next me
please take this eyes of mine
you made me sad, now I can't see

I just wanted to hold you once again
and tell you that everything would be fine
but now you're gone, I'm so confused
the hate, the love and their thin line

I miss you, I miss your smile
that smile, shiny and smart
but we're gone, we're dead and buried
and the good times are all in your heart
densa névoa encobrindo os montes
sanguínea linha faz os horizontes
onde estão os olhos de minha amada tão bela?
espatifados e pintados em tão nobre aquarela

lábios de primavera em primas faces de seda
mãos brancas e mirradas espalhadas pela alameda
os anjos pairavam e bradavam hinos ao céu
enquanto tua alma viajava rodando num carrossel

sete horas e sete dias e teu sorriso novamente
que deus perdoe a alma desta criatura nobre e descrente
o paraíso é aqui, o inferno é um eterno pranto
pai, ó pai, por que demoraste tanto?

o fogo me consome e minh'alma padece
a sombra de um assassino e o fogo se fortalece
condenado ao sofrer deleitoso, condenado à ser eterno
condenado por condenar, queimando eternamente no inferno

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Vocês não sabem com o que estão mexendo.

Então, resolvi voltar a escrever por dois motivos: preciso treinar pro vestibular e porque eu já tinha essa ideia faz algum tempo, mas só agora me animei pra escrever. O primeiro trecho, em itálico, foi retirado do MedoB, um site que eu particularmente gosto demais. Eles colocaram uma creepypasta sobre o jogo Fallout 3 (não precisa conhecer o jogo pra entender a historia, eu só usei um trecho da creepypasta) e eu gostei da atmosfera apocalíptica que aquilo proporcionava. Então comecei a escrever esse conto, que enquanto eu tiver disposição eu vou escrevendo.

_____________

1:27, 6 de Julho, 2027.

“Eu não acredito que eles finalmente conseguiram. Nada mais resta. Eles foram avisados, mas continuaram a violar os limites da ciência. O som. Eu não aguento mais o som. E a luz, meu Deus! O Universo está lentamente se torcendo ao nosso redor. Eu não vou esperar pela morte. Eu tenho uma pistola no sótão.”

Um som agudo e estridente ecoava por todos os lugares. Não parecia vir de uma fonte, parecia estar dentro da cabeça de cada pessoa viva naquele cenário pós-apocalíptico. O que restava dos vidros das janelas estilhaçadas lentamente se desprendia, fazendo barulhos estridentes ao cair. Algumas pessoas mais frágeis jogavam-se ao chão, contorcendo-se com as mãos nos ouvidos, tentando evitar aquele som infernal de alta freqüência. O Vórtex aberto no céu, uma enorme ferida no firmamento anunciava o fim de uma era no Planeta Terra. O barulho foi ficando cada vez mais agudo, mais intenso, mais insuportável. O rasgo entre as nuvens começava a tragar lentamente a noção de tempo e espaço, transformando tudo num borrão denso. Agora até os mais resistentes começavam a sofrer, morrendo em lenta agonia, torturados pelo som e pela visão macabra daquela distorção temporal. Em um momento, haviam pessoas agonizantes, prédios destruídos, ruas cheias de escombros e um planeta devastado pela evolução. No outro segundo já não havia mais nada.

Só o vácuo.

13:41, 29 de Junho, 2027.

“E hoje, graças à um esforço de pesquisa de quinze anos, os cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, unindo esforços com profissionais e estudantes do mundo todo, finalmente conseguiram ultrapassar a fronteira final da Ciência: eles conseguiram driblar a barreira do tempo. O que era antes um mistério para a humanidade agora nada mais é que uma página finalmente virada. Os primeiros testes se realizarão daqui a algumas horas, e todo o progresso será exibido ao vivo. Os esforços para criar uma máquina que permite viagens pelo tempo, que tiveram início datado de 21 de Dezembro de 2012, vão ser finalmente colocados à prova nesse dia histórico. Grandes líderes mundiais estarão presentes no evento, que tem duração prevista de cerca de duas horas, tempo suficiente para mostrar os resultados de anos de pesquisa e desenvolvimento. Diretamente de Massachusetts, Adriana Stark para o Plantão Globo de Notícias.”

Eu estava lá fora quando meus filhos me chamaram na sala. Os garotos olhavam fascinados para a tela da televisão. Aquela era a maior descoberta de todos os tempos, o controle da dimensão temporal do universo. Os garotos debatiam animados as inimagináveis possibilidades, o leque de oportunidades que se abriria com a perspectiva do controle de algo tão complexo. Viagens ao passado, previsões do futuro, caminhar pelo espaço na velocidade da luz, era tão maravilhoso que todos acabavam se esquecendo do perigo em mexer com tal emaranhado complexo de alguma coisa que ainda não era possível entender. E era exatamente esse o problema, era isso que eu temia.

Sabíamos controlar, mas não conseguíamos entender. Podíamos fazer do tempo o nosso escravo, mas não sabíamos a que ponto isso chegaria.

E, pensando que estavam galgando a escadaria para o topo da tecnologia, a ciência não percebeu que apenas estava cavando a própria cova.

______


Por enquanto é isso, conforme eu for escrevendo eu vou postando aqui. Flw vlw ae.

sábado, 26 de março de 2011

Seleção Brasileira

Mano Menezes vai estreiar seu mais novo convocado Damião no amistoso contra a Escócia... Vamos ver se consegue estreiar fazendo pelos menos um gol !!!!

Meu querido tricolor venceu o Inter SM de 6x0 ACREDITAM? Não sei nem como o Inter SM conseguiu passar pra segunda fase do gauchão... hahaha

Está bem complicado postar no blog por um único motivo: ESTUDOS!
Por isso espero a compreensão de vocês em relação aos meus posts...
Até mais.. Raphaella Pasa

segunda-feira, 14 de março de 2011

Dia de chuva

Um dia chuvoso e frio. Cinzento. Os dois, sentados no sofá, olhavam os grossos pingos de chuva caírem e baterem contra a janela. Abraçados, em silêncio, contemplavam a janela, observando o vento bater nas árvores. O barulho da água caindo contra o asfalto era relaxante. O Sol não aparecia por trás das nuvens, e a fonte de iluminação era a fraca luz trespassando o vidro e o fogo crepitando na lareira. Os únicos sons eram o fogo estalando, a chuva caindo e a música triste no rádio.

“I’m going through changes, I’m going through changes! ♫ ”

Os dois estavam bem próximos. Ele podia sentir o aroma perfumado dos cabelos dela, ela sentia o perfume masculino exalando do pescoço dele. Ele começou a passar os dedos pelos longos cabelos dela, e a embaraçar e desembaraçar as madeixas longas e macias. Ela fechou os olhos e sentiu-se no paraíso quando ele levantou levemente sua cabeça, afastou os cabelos do rosto dela e acariciou seu rosto. Ele abaixou a cabeça e beijou a bochecha dela, e sussurrou com voz grave:

“Sabia que eu te amo?”

Ela nada falou, apenas ergueu o rosto e retribuiu o beijo, e voltou a aninhar-se nos braços dele.

A chuva continuava a cair, o fogo continuava a crepitar. E o dia cinzento lá fora de repente havia se tornado perfeito.

quarta-feira, 9 de março de 2011

Peço desculpas pela demora!

Depois desse feriadão prolongado venho novamente aqui no blog expor minha opinião sobre o futebol!

Como vem acontecendo na equipe do Grêmio, multas por atraso aos treinos estão sendo impostas aos jogadores, e acho isso "corretíssimo". Os jogadores ganham uma "bolada" pra chegarem atrasados?E não falo de atrasos em alguns minutos e sim em HORAS!Acho que por mais que tenham muitas regalias isso jamais seria admitido.
Outra curiosidade que aconteceu recentemente foi que um torcedor do Santos colocou um anúncio no jornal pedindo novo técnico: “Procura-se treinador que não seja retranqueiro e use três atacantes. CV para erafeliz433@gmail.com”, dizia a mensagem. Haja criatividade ein!? hahaha

Então leitores foi terminando o post... e prometo postar mais vezes durante a semana.
Até mais!

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Lutar!

Lutar pra que?
Lutar por quem?
Acomodar-se e assistir
Cadê a coragem de outrem?

Não se envolva, não se arrisque
Seja um bom cidadão
Aceite tudo que te impõem
E nunca ouse dizer não.

Levante dessa cadeira agora
Lute pela sua liberdade
Lute pelo amor, pelo ódio
Pelo que simplesmente te der vontade

Um ser humano que fica quieto
Nunca saberá o sabor da vitória
Arrisque seu lindo comodismo
E marque seu nome na história.

Escreva teu nome com guerra
Nas páginas brancas da lembrança
Não importa o quão duro seja
Depois da tempestade vem a bonança

Ao invés de reclamar
Ou de se aquietar como uma ovelhinha astuta
Levante as armas, camarada
Reúna seus amigos e vá à luta!

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

1º Post!

Olá :D Desculpem a demora a postar aqui, quando a pessoa não sabe mecher no site é isso que dá neah Lucas, haha... Então, sou a Raphaella Pasa, estudante e fanática por futebol! Muito mais que uma obsseção, um vicio...

Como meu querido amigo já comentou, partilhamos de um mesmo amor, o Imortal Tricolor! O Grêmio pra mim é muito mais que um time, muito mais que uma nação! Totalmente inexplicável!

E me orgulho de ser uma das poucas garotas que sabem falar de futebol, de um impedimento, de um pênalti...
Vamos começar então com o resumo da estreia na libertadores... Meu tricolor estreiou muito bem após ter vencido ontem o Oriente Petrolero por 3x0 em casa. Já o Santos ficou no 0x0 contra o Deportivo Táchira. Cruzeiro venceu por 5x0 e o Internacional, para a minha felicidade, empatou com o Emelec!

Mas mudando de campeonato... Mesmo depois da saída de Ronaldo e de Roberto Carlos, o Corinthians vence por 2x0 no campeonato paulista.

Enfim, acho que começamos com o pé direito o blog, e espero que gostem dos comentários!
Beijos torcedores!

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Nova colaboradora!

Gostaria de dar as boas vindas à mais nova colaboradora do SymphonyOfApocalypse, a Raphaella Pasa. Compartilhamos de uma paixão, o Imortal Tricolor Gaúcho, dito Grêmio, e resolvi chamar ela pra sair do clichê morte-amor-suicídio-morte-morte-morte-amor-heroísmo-morte, e colocar um pouco de paixão futebolística no blog. Eu não sei nada sobre futebol, então deixo nas mãos delicadas dela a árdua tarefa de escrever sobre o Panis et Circencis brasileiro.

Mas é isso, boa sorte à Rapha!

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Irra \o/

Então pessoas. Eu venho visitar meu blog pra ver se tem algum comentário e me deparo com uma indicação à um selo de qualidade! Tipo, isso foi uma surpresa muito boa, porque meu blog sempre foi mais pra amigos (contador de views acho que tá bugado), nunca teve muitos comentários nem seguidores, então dá pra imaginar a minha alegria ao receber. Eu tenho que indicar mais 15 blogs pra receberem o selo, mas no momento minha internet não anda muito legal comigo, então quando ela voltar a ser minha amiguinha eu indico. Por enquanto, só vou expor o selo e responder às perguntas e agradecer à Marina, do PreludeOfHeart que me indicou. Muito obrigado mesmo *-*

Aí está o selo:
Então agradeço mais uma vez e aí vão minhas respostas.
Responder as perguntas:
Nome:
Lucas
Uma música:
Strange World - Iron Maiden
Humor:
Geralmente alegre, mas as vezes fico irritado ou triste.
Uma cor:
Preto
Uma estação:
Inverno
Como prefere viajar:
Ouvindo música, sentado confortavelmente.
Um seriado:
The Walking Dead
Frase ou palavra mais dita por você:
"Mamar no boi você não quer né?"
O que achou do selo:
Tipo, uma surpresa extremamente agradável *-*




Então, em breve indico os outros blogs, e os indicados põe o selo no blog e respondem às perguntas. Até o/

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Mais que tudo.

O prédio estava desabando. Do lado de fora, pessoas choravam. Do lado de dentro, duas pessoas. Uma garota e um garoto. Ex-namorados, haviam brigado e nunca mais se falaram.

Ela ainda o amava.

Sentaram bem juntos para se proteger do frio que se abatia no lugar. Se lembraram dos velhos tempos. Ela não iria ceder.

Ela ainda o amava.

A garota olhava pra ele, com seus frios olhos azuis, seus cabelos negros, suas orelhas cheias de piercings. Ele olhava para a garota, lábios cor de cereja, olhos verde-esmeralda e pele bronzeada, além de magníficos cabelos loiro-resplandescente.

Ela ainda o amava.

A garota resolveu agir. Iria dizer que o amava, que fora tudo um mal entendido, que eles deveriam permanecer juntos. Mas não, ela não iria se dar por vencida. Ele haveria de pedir desculpas.

Ela ainda o amava.

Ele parecia distante, frio. Pensativo, reflexivo. Não demonstrava amar a garota tanto assim.

Ela ainda o amava.

Ele a abraçou. Ela era arrogante, não iria ceder tão fácil. Tentou o empurrar pra longe, mas ele a deitou no chão e se jogou por cima dela.

A construção desabou. Abraçados, eles foram atingidos por entulho. Abraçados, eles se olharam. Abraçados, eles morreram.

Ela ainda o amava.

A garota acordou com a luz do dia ofuscando sua visão. Uma passagem à sua frente a guiava para a liberdade. E o garoto jazia morto. A abraçara pra impedir que os entulhos a atingissem.

Ele a amava mais que tudo.

Primavera.

Ela olhou tristemente para o retrato do rapaz. Olhos claros, cabelos loiros. Ombros largos e sorriso acanhado. Richard, Richard.

- Filho da puta, por que foi embora?!

E atirou o retrato do outro lado da sala. Arrependeu-se, era sua única lembrança do namorado morto na guerra. Morrera como um herói, salvando todos do seu batalhão. Morrera torturado, morrera para não contar onde eles estavam. Dera a vida por seus companheiros. Herói de guerra.

A cena mais triste da vida dela. O caixão do seu amado, do seu herói, do seu soldado sendo carregado por seus companheiros, todos de preto. Alguém segurando sua mão durante o enterro. Todos de luto. Mas todos vivos. Deus, não era justo que ele morresse, não era! Eles iam casar, ter filhos, uma casa e um cachorro. Iam lavar o carro juntos, tomar vinho em frente à lareira e fazer amor em uma noite perfeita de inverno. Inverno, essa era a palavra para definir o coração da pobre menina naquele momento. Frio, insensível, duro. Inverno. Inferno. Interno. Sofrimento disfarçado com grosseria. Apenas amor.

Meses se passaram. Ela não conseguia ver como iria amar novamente. Ela sofria todos os dias. Ele prometera um mundo de felicidade pra ela, ele seria um marido perfeito. E a abandonara. O inverno permanecia no seu coração.

Dias depois do que seria o 29° aniversário dele, alguém batia à porta. Era um dos que haviam estado na guerra com Richard, seu nome era Remy. Alto, forte, olhos castanhos e cabelos da mesma cor. Barba por fazer e um sorriso acanhado, o mesmo sorriso de Richard. Viera entregar os pertences dele.

Naquele momento toda fúria e ódio e sofrimento vieram à tona. Ela queria bater naquele homem, ele era culpado, ele matou seu namorado, ele fizera a guerra, não importava. E quanto mais ela batia nele, mais ela se sentia melhor. Seu peitoral forte agüentava bem as pancadas fracas da mulher chorosa e desamparada. Quando ela finalmente parou, Remy simplesmente a abraçou. Ela retribuiu o abraço, e ele falou:

- Eu te entendo. Ele era meu melhor amigo, nunca me deixou desistir. Ele lutou como um herói e morreu como um herói. Chorar não vai trazê-lo de volta. Se acalme.

Sua voz grave era reconfortante. Seu perfume, inebriante. A segurança que ele passava era boa demais. Ela o conhecia, fora o homem que segurara sua mão durante o enterro de Richard.

Finalmente a primavera chegara para acabar com o inverno gelado no coração daquela pobre garota. O amor florescera mais uma vez.

O silêncio que precede o final

A porta abriu. Uma bela moça entrou. O rapaz disse:

- Sente-se aqui ao meu lado.

- Tudo bem.

- Eu ainda te amo sabia?

- Ainda? Então você um dia deixou de me amar? Seu pilantrinha!

Os dois riram. O jovem casal, tinham no máximo 17 anos cada um, estava sentado confortavelmente em um sofá posto às pressas no terraço do edifício mais alto de Curitiba. O céu estava de uma cor vermelho-sangue. Um espetáculo raro.

- Que horas vai ser?

- A televisão falou que seria lá pelas seis e meia da manhã.

Ela olhou no relógio de pulso dele.

- É quase cinco e vinte amor!

- Numa hora dessas, o que mais importa o tempo? Só me interessa ficar com você.

E eles se abraçaram. E assim ficaram, observando o comportamento anômalo do sol, o desespero das aves, ouvindo os gritos de desespero das pessoas lá embaixo. Era até engraçado, eles tão sossegados observando tudo enquanto os outros se desesperavam.

- Sabe, poderíamos ter vivido tantas coisas juntos... casar, ter filhos...

- Fernanda, você sabe que eu te amo demais, e nós teríamos feito tudo isso não fosse pelo...

E não conseguiu terminar a frase.

Eles nem se deram conta, mas faltavam quarenta segundos para as seis e meia. O sol tingia o horizonte de sangue, e as nuvens pareciam fantasmas bailando pra lá e pra cá.

- Amor, faltam dez segundos! E agora? O que fazemos?

- Aprecie o silêncio.

Eles deram as mãos e se beijaram.

E num instante, como que por mágica, tudo ficou silencioso. Um momento de respeito, um minuto de silêncio, uma eternidade de angústia.

E o meteoro X-297.8 – Alfa atingiu o Planeta Terra, dizimando todo e qualquer vestígio de vida.

Aquele era o silêncio que precedia o final.



Dedicado à Lajila e Kevin, os psicopatas mais apaixonados do mundo.