terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Lutar!

Lutar pra que?
Lutar por quem?
Acomodar-se e assistir
Cadê a coragem de outrem?

Não se envolva, não se arrisque
Seja um bom cidadão
Aceite tudo que te impõem
E nunca ouse dizer não.

Levante dessa cadeira agora
Lute pela sua liberdade
Lute pelo amor, pelo ódio
Pelo que simplesmente te der vontade

Um ser humano que fica quieto
Nunca saberá o sabor da vitória
Arrisque seu lindo comodismo
E marque seu nome na história.

Escreva teu nome com guerra
Nas páginas brancas da lembrança
Não importa o quão duro seja
Depois da tempestade vem a bonança

Ao invés de reclamar
Ou de se aquietar como uma ovelhinha astuta
Levante as armas, camarada
Reúna seus amigos e vá à luta!

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

1º Post!

Olá :D Desculpem a demora a postar aqui, quando a pessoa não sabe mecher no site é isso que dá neah Lucas, haha... Então, sou a Raphaella Pasa, estudante e fanática por futebol! Muito mais que uma obsseção, um vicio...

Como meu querido amigo já comentou, partilhamos de um mesmo amor, o Imortal Tricolor! O Grêmio pra mim é muito mais que um time, muito mais que uma nação! Totalmente inexplicável!

E me orgulho de ser uma das poucas garotas que sabem falar de futebol, de um impedimento, de um pênalti...
Vamos começar então com o resumo da estreia na libertadores... Meu tricolor estreiou muito bem após ter vencido ontem o Oriente Petrolero por 3x0 em casa. Já o Santos ficou no 0x0 contra o Deportivo Táchira. Cruzeiro venceu por 5x0 e o Internacional, para a minha felicidade, empatou com o Emelec!

Mas mudando de campeonato... Mesmo depois da saída de Ronaldo e de Roberto Carlos, o Corinthians vence por 2x0 no campeonato paulista.

Enfim, acho que começamos com o pé direito o blog, e espero que gostem dos comentários!
Beijos torcedores!

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Nova colaboradora!

Gostaria de dar as boas vindas à mais nova colaboradora do SymphonyOfApocalypse, a Raphaella Pasa. Compartilhamos de uma paixão, o Imortal Tricolor Gaúcho, dito Grêmio, e resolvi chamar ela pra sair do clichê morte-amor-suicídio-morte-morte-morte-amor-heroísmo-morte, e colocar um pouco de paixão futebolística no blog. Eu não sei nada sobre futebol, então deixo nas mãos delicadas dela a árdua tarefa de escrever sobre o Panis et Circencis brasileiro.

Mas é isso, boa sorte à Rapha!

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Irra \o/

Então pessoas. Eu venho visitar meu blog pra ver se tem algum comentário e me deparo com uma indicação à um selo de qualidade! Tipo, isso foi uma surpresa muito boa, porque meu blog sempre foi mais pra amigos (contador de views acho que tá bugado), nunca teve muitos comentários nem seguidores, então dá pra imaginar a minha alegria ao receber. Eu tenho que indicar mais 15 blogs pra receberem o selo, mas no momento minha internet não anda muito legal comigo, então quando ela voltar a ser minha amiguinha eu indico. Por enquanto, só vou expor o selo e responder às perguntas e agradecer à Marina, do PreludeOfHeart que me indicou. Muito obrigado mesmo *-*

Aí está o selo:
Então agradeço mais uma vez e aí vão minhas respostas.
Responder as perguntas:
Nome:
Lucas
Uma música:
Strange World - Iron Maiden
Humor:
Geralmente alegre, mas as vezes fico irritado ou triste.
Uma cor:
Preto
Uma estação:
Inverno
Como prefere viajar:
Ouvindo música, sentado confortavelmente.
Um seriado:
The Walking Dead
Frase ou palavra mais dita por você:
"Mamar no boi você não quer né?"
O que achou do selo:
Tipo, uma surpresa extremamente agradável *-*




Então, em breve indico os outros blogs, e os indicados põe o selo no blog e respondem às perguntas. Até o/

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Mais que tudo.

O prédio estava desabando. Do lado de fora, pessoas choravam. Do lado de dentro, duas pessoas. Uma garota e um garoto. Ex-namorados, haviam brigado e nunca mais se falaram.

Ela ainda o amava.

Sentaram bem juntos para se proteger do frio que se abatia no lugar. Se lembraram dos velhos tempos. Ela não iria ceder.

Ela ainda o amava.

A garota olhava pra ele, com seus frios olhos azuis, seus cabelos negros, suas orelhas cheias de piercings. Ele olhava para a garota, lábios cor de cereja, olhos verde-esmeralda e pele bronzeada, além de magníficos cabelos loiro-resplandescente.

Ela ainda o amava.

A garota resolveu agir. Iria dizer que o amava, que fora tudo um mal entendido, que eles deveriam permanecer juntos. Mas não, ela não iria se dar por vencida. Ele haveria de pedir desculpas.

Ela ainda o amava.

Ele parecia distante, frio. Pensativo, reflexivo. Não demonstrava amar a garota tanto assim.

Ela ainda o amava.

Ele a abraçou. Ela era arrogante, não iria ceder tão fácil. Tentou o empurrar pra longe, mas ele a deitou no chão e se jogou por cima dela.

A construção desabou. Abraçados, eles foram atingidos por entulho. Abraçados, eles se olharam. Abraçados, eles morreram.

Ela ainda o amava.

A garota acordou com a luz do dia ofuscando sua visão. Uma passagem à sua frente a guiava para a liberdade. E o garoto jazia morto. A abraçara pra impedir que os entulhos a atingissem.

Ele a amava mais que tudo.

Primavera.

Ela olhou tristemente para o retrato do rapaz. Olhos claros, cabelos loiros. Ombros largos e sorriso acanhado. Richard, Richard.

- Filho da puta, por que foi embora?!

E atirou o retrato do outro lado da sala. Arrependeu-se, era sua única lembrança do namorado morto na guerra. Morrera como um herói, salvando todos do seu batalhão. Morrera torturado, morrera para não contar onde eles estavam. Dera a vida por seus companheiros. Herói de guerra.

A cena mais triste da vida dela. O caixão do seu amado, do seu herói, do seu soldado sendo carregado por seus companheiros, todos de preto. Alguém segurando sua mão durante o enterro. Todos de luto. Mas todos vivos. Deus, não era justo que ele morresse, não era! Eles iam casar, ter filhos, uma casa e um cachorro. Iam lavar o carro juntos, tomar vinho em frente à lareira e fazer amor em uma noite perfeita de inverno. Inverno, essa era a palavra para definir o coração da pobre menina naquele momento. Frio, insensível, duro. Inverno. Inferno. Interno. Sofrimento disfarçado com grosseria. Apenas amor.

Meses se passaram. Ela não conseguia ver como iria amar novamente. Ela sofria todos os dias. Ele prometera um mundo de felicidade pra ela, ele seria um marido perfeito. E a abandonara. O inverno permanecia no seu coração.

Dias depois do que seria o 29° aniversário dele, alguém batia à porta. Era um dos que haviam estado na guerra com Richard, seu nome era Remy. Alto, forte, olhos castanhos e cabelos da mesma cor. Barba por fazer e um sorriso acanhado, o mesmo sorriso de Richard. Viera entregar os pertences dele.

Naquele momento toda fúria e ódio e sofrimento vieram à tona. Ela queria bater naquele homem, ele era culpado, ele matou seu namorado, ele fizera a guerra, não importava. E quanto mais ela batia nele, mais ela se sentia melhor. Seu peitoral forte agüentava bem as pancadas fracas da mulher chorosa e desamparada. Quando ela finalmente parou, Remy simplesmente a abraçou. Ela retribuiu o abraço, e ele falou:

- Eu te entendo. Ele era meu melhor amigo, nunca me deixou desistir. Ele lutou como um herói e morreu como um herói. Chorar não vai trazê-lo de volta. Se acalme.

Sua voz grave era reconfortante. Seu perfume, inebriante. A segurança que ele passava era boa demais. Ela o conhecia, fora o homem que segurara sua mão durante o enterro de Richard.

Finalmente a primavera chegara para acabar com o inverno gelado no coração daquela pobre garota. O amor florescera mais uma vez.

O silêncio que precede o final

A porta abriu. Uma bela moça entrou. O rapaz disse:

- Sente-se aqui ao meu lado.

- Tudo bem.

- Eu ainda te amo sabia?

- Ainda? Então você um dia deixou de me amar? Seu pilantrinha!

Os dois riram. O jovem casal, tinham no máximo 17 anos cada um, estava sentado confortavelmente em um sofá posto às pressas no terraço do edifício mais alto de Curitiba. O céu estava de uma cor vermelho-sangue. Um espetáculo raro.

- Que horas vai ser?

- A televisão falou que seria lá pelas seis e meia da manhã.

Ela olhou no relógio de pulso dele.

- É quase cinco e vinte amor!

- Numa hora dessas, o que mais importa o tempo? Só me interessa ficar com você.

E eles se abraçaram. E assim ficaram, observando o comportamento anômalo do sol, o desespero das aves, ouvindo os gritos de desespero das pessoas lá embaixo. Era até engraçado, eles tão sossegados observando tudo enquanto os outros se desesperavam.

- Sabe, poderíamos ter vivido tantas coisas juntos... casar, ter filhos...

- Fernanda, você sabe que eu te amo demais, e nós teríamos feito tudo isso não fosse pelo...

E não conseguiu terminar a frase.

Eles nem se deram conta, mas faltavam quarenta segundos para as seis e meia. O sol tingia o horizonte de sangue, e as nuvens pareciam fantasmas bailando pra lá e pra cá.

- Amor, faltam dez segundos! E agora? O que fazemos?

- Aprecie o silêncio.

Eles deram as mãos e se beijaram.

E num instante, como que por mágica, tudo ficou silencioso. Um momento de respeito, um minuto de silêncio, uma eternidade de angústia.

E o meteoro X-297.8 – Alfa atingiu o Planeta Terra, dizimando todo e qualquer vestígio de vida.

Aquele era o silêncio que precedia o final.



Dedicado à Lajila e Kevin, os psicopatas mais apaixonados do mundo.